Percorrer Categoria

Cultura

Cultura

Exposição “Tecendo Caminhos”!

20170530_142418               De  18 a de 31 maio aconteceu na Sala Eduardo Trevisan da Câmara de Vereadores de Santa Maria a Exposição “Tecendo Caminhos” da Escola Estadual de Ensino Médio Humberto de Campos. Essa escola está localizada nas dependências do Centro de Atendimento Socioeducativo Regional de Santa Maria (Case-SM), que atende jovens em conflito com a lei. São adolescentes em processo de desenvolvimento e os programas de execução de medidas socieducativas devem, na sua proposta pedagógica, desenvolver habilidades que possam prepará-los para o mundo do trabalho. O grupo de professores e socioeducadores estão de parabéns! A segue fotos de alguns trabalhos apresentados.

20170530_14214920170530_14231620170530_14224220170530_14232720170530_14221220170530_142354               O Case-SM é uma das unidades de internação da Fundação de Atendimento Sócio Educativa do RS (Fase-RS), que esse ano completa 15 anos de fundação! A todos os socioeducadores que atuam nessa área, nossos cumprimentos e respeito pelo trabalho realizado.

Cultura

Prof. Juca lança na FEIRA do LIVRO desse ano o seu novo livro!

               Dia quatro de maio, na FEIRA do LIVRO 2017 de Santa Maria,  o Dr. José Francisco Silva Dias, carinhosamente conhecido como Prof. Juca,  autografou seu novo livro ” O Resgate do Sentido da Velhice”.18199173_1425244260847735_7053352219429508419_n20170504_173119O Prof. Juca participou do “Mulheres Donas de Si e as Faces do Envelhecimento”, prestando importante contribuição ao documentário (disponível no youtube). As Mulheres Donas de Si foram prestigiá-lo: Zilda Peres da Silva, Leila Moura, Marlene Sager e Marlene Antonia Ribeiro.

20170505_171443O Patrono na Feira do Livro 2017 de Santa Maria: Marcelo Canellas dando entrevista para nosso amigo Azar Bressiani (Programa Azar da Noite)!.

18221847_1449461835076932_8179493096844962724_n

Prof. Juca autografando o livro de Zilda Peres da Silva!

Cultura

Livro: Querido Amor!

DSC_0157               O Querido Amor foi escrito 2015 e publicado em novembro de 2016, com o patrocínio da Fundação Eny e Supertex.

O livro fala de uma adolescente que ingressa na faculdade e inicia a vida independente com compromissos, deveres, família, amizades, amores, desamores e descobertas que fará você, leitor, se envolver nessa leitura dinâmica e curiosa. Escrita por uma menina de treze anos, mas com uma linguagem agradável do início ao fim.

Em 2017 a turma da sétima série do Colégio Militar estará estudando este livro, na disciplina de português.DSC_0113                Autora: Maria Eduarda Vieira Palma de 14 anos, estudante do primeiro ano do ensino médio, filha de Luís César Monsson Palma e Alessandra Simões Vieira.

DSC_0281               Querido Amor está à venda na Livraria Athenas, Feira Itinerante no Shopping Monet e pelo site da Editora Caxias.

Cultura

Uma bela idéia para a nossa Orquestra Sinfônica da UFSM.

Quarenta alunos da Academia de Jerusalém de Música e Dança se apresentam no novo Sarah Wetsman Davidson Hospital Tower, em Jerusalém reproduzindo a Valsa das Flores de Tchaikovsky. Médicos, pacientes e transeuntes se juntaram à festa.

O concerto surpresa foi parte do Good Deeds Day, um evento anual que se originou em Israel em 2007, e agora acontece em mais de 50 países em todo o mundo. Neste dia os voluntários se apresentam para os menos afortunados e vulneráveis.

Clique no link!

OXHZUxUXXN link

Dica  de Carlos Costa Beber.

Cultura

filme The Light Between Oceans

16711808_1654048991288966_2029941794502254832_n               Com a chegada da enxurrada e da chuva pesada, aproveitei a companhia e assisti essa estória apaixonada sobre o amor, esperança e escolhas do destino. Trata-se de “The Light between Oceans” (A Luz entre Oceanos), 2016, 133 minutos, direção de Derek Cianfrance. A fita é uma adaptação da novela com o mesmo título de M.D. Stedman, de 2012, escritora australiana que investe sua criação naqueles conflitos pós-guerra em terras do Down Under. Os cenários do drama foram locados na Australia e Nova Zelandia, com ambientação desde Stanley, na Tasmania, passando pela Península Otago, Saint Bathans, até o famoso Farol de Cape Campbell em Marlborough, na Nova Zelândia.16831013_1654052841288581_3478668314704747353_n               O enredo começa com a chegada de Thomas ‘Tom’ Sherbourne (Michael Fassbender) a Partageuse, uma pequena cidade litorânea na costa oeste australiana. O ano é 1921 e Tom recém chegado da Grande Guerra, é um homem cheio de conflitos, calado e atormentado pelas experiências da vida. Foi-lhe oferecido o emprego de zelador de farol, no caso o da ilha rochosa de Janus, local de encontro do Mar do Sul e o Oceano Índico. Na mitologia, Janus é o deus de duas faces, guardador dos portões, portas, dos começos e dos fins, mas também é referido como uma lua de Saturno.

16806918_1654050884622110_1873796892589548269_n

               Tom é recebido com alegria pelas pessoas de Partageuse, em especial pela família Graysmark e pelo capitão Ralph Addicott (Jack Thompson), que o levará de barco até o farol e será o intermediário entre Janus e o continente.

16649334_1654056414621557_6745664161564358708_n

Tom se paixona por Isabel Graysmark (Alicia Vikander), moça expansiva, sonhadora, que se declara a Tom, o que apressa a decisão do casamento, pois o zelador de farol só poderia ter companhia feminina ao se casar.

Alicia e o Farol               Após a celebração, os cônjuges partem para Janus e iniciam uma vida idílica, extasiante, comprometidos em domar o isolamento, até chegar ao seu conluio.

rob1               O casal enfrenta seu grande desafio, quando Isabel finalmente entende que não consegue manter a gravidez, depois de três tentativas. Tom enterra os fetos com uma cruz, colocando as datas, 31/05/1921 a 25/04/1923.

16649334_1654056414621557_6745664161564358708_n

               Dois dias depois de enterrar o último feto, Tom avista uma canoa que traz o som de uma criança chorando, corre e chama Isabel. Quando chegam na praia se deparam com um homem morto e uma criança, ainda viva. Aqui inicia o grande drama do casal, de um lado uma descompassada, transtornada Isabel, enxergando naquela criança um milagre e, de outro, um Tom zeloso de suas obrigações e crenças na justiça, na moral e na ética, exclamando que deveriam entregar a criança às autoridades. Todavia, Isabel consegue convencer Tom, explicando que as autoridades iriam colocar a criança num orfanato e que não concederiam uma adoção pelo fato de morarem numa ilha erma. Tom, então, enterra o defunto e apóia a criação da menina, a que dão o nome de Lucy.

16730344_1654055441288321_3676504526531742696_nMichael

16730458_1654054951288370_4122896029964492807_n               A seguir o capitão Ralph chega para uma inspeção de rotina e, já que o casal estava em conluio, não desconfia que a criança não é deles. Um dos seus imediatos brinca com o bebê e vê um chocalho de prata, prova de sua verdadeira antecedência, mais adiante. Tempos depois, com o casal tendo uma felicidade contagiante com Lucy, a levam para batizar e apresentar aos amigos de Partageuse.

16830913_1654056101288255_470738195870910587_n               Na pequena igreja do batismo, enquanto esperam pelo vigário, Tom avista uma moça estranha no cemitério, chorando e colocando flores num túmulo. Tom, curioso, vai até a cova e lê a inscrição de mortos, desaparecidos no mar, pai e filha, Franz Johannes Roennfeldt e Grace Ellen, com a data de 26/04/1923. Tom pergunta a Ralph quem era a moça, e este explica que é Hannah Roennfeldt (Rachel Weisz), filha do homem mais rico da localidade e benfeitor da comunidade, Septimus Potts (Bryan Brown) e que, de fato, tinha tido aquela tragédia em sua vida. Tom, a seguir, escreve uma pequena carta a Hannah, sem assinar, mas indicando que seu marido tinha morrido mas que sua filha viva e bem cuidada. Hannah procura a polícia e mostra a cartinha ao sargento Vernon Knuckey (Anthony Hayes), o detetive da região que começa a investigação. Antes de retornarem a Janus, Tom deposita na caixa de correio de Hannah, o tal chocalho que é mostrado a Vernon.

16729233_1654053857955146_8703608154166401435_n               Septimus oferece uma gorda recompensa a quem indicar o paradeiro da criança. Feita a descoberta, os policiais se dirigem a Janus. Tom diz a Isabel que mantenha o acordado e que a culpa é só dele. Tom é preso e Isabel enlouquece ao perder Lucy, além da amargura e sofrimento, torna-se vingativa.

16807651_1654053291288536_8520032035797563128_n               Lucy não aceita a nova vida com Hannah, bradando que seu nome não é Grace, é Lucy, aos quatro anos. Um dia foge e quase morre nos rochedos à beira mar. Septimus adora a neta e carinhosamente aceita que ela se chame de Lucy-Grace (Florence Clery). Enquanto isso, Hannah propõe a Isabel que se ela está dizendo a verdade, que Tom era o grande culpado, deporá em seu favor e, mais, que dará a custódia da menina a ela. Turning point! Isabel após conversar com Violet (Jane Menelaus), sua mãe, entende o sacrifício e todo o amor de Tom. Corre até o barco que levará Tom até Albany para o julgamento. Lá também é presa ao afirmar que Tom não tinha matado Franz e que a aculpa era dela por manterem a criança. Passam-se os anos, a cena é Tom reafirmando seu amor a Isabel, moribunda. Em agosto de 1950, Tom recebe a visita da, agora, mãe Lucy-Grace que lhe apresenta o filho. Firmam compromisso de visitas.

             Essa estória que encerra escolhas cruciais, sem acasos, mas com oportunidades, remete para os devaneios e alguns maus entendimentos de nosso imaginário, febril quando em confronto com as asperezas da vida. Mesmo assim, a fita tem uma boa estrutura, desde as locações e a fotografia, até os atores em estado de graça, nas suas interpretações. A estória não é sobre mistérios, contudo é um thriller psicológico bem montado. Enjoy.

rob3

 

Contribuição: Professor Robson Pereira Gonçalves

Fonte: perfil pessoal no facebook