Coluna Estefânia Adams

EDUCAÇÃO E RESPEITO VÃO ALÉM DA ETIQUETA. E FAZEM TODA A DIFERENÇA

                  foto 10               Foto: Guilherme Schorn.

               Tenho insistido aqui em alguns pontos que mais passam por etiqueta e comportamento do que por Relações Públicas, propriamente dito. Mas as observações dos últimos tempos me fazem querer abordar alguns temas bastante delicados e, desta vez, talvez polêmico. Se no post anterior falei sobre as conversas durante pronunciamentos, neste falarei sobre “comer” durante o cerimonial.

              Pouco mais de um mês atrás, durante evento em um cliente que tem muito destaque em seu segmento, fui surpreendida com a postura e comportamento de alguns poucos convidados. Na ocasião estava previsto um cerimonial seguido de serviço de coquetel. Optamos por montar um buffet na bancada do espaço, servindo de apoio ao serviço volante. No meio dos pronunciamentos, chegaram alguns convidados atrasados que se dirigiram diretamente para a bancada, começando a servir-se e conversar como se estivessem na sala de suas casas. Aguardei alguns instantes e, como não percebi nenhuma intenção dos convidados em manter silêncio e aguardar o início do serviço, me dirigi ao coordenador da equipe de garçons que estava próximo do local e pedi que arrumasse o buffet – que a estas alturas já estava totalmente remexido, pois em instantes daríamos início ao serviço de coquetel. É claro que, estrategicamente, permiti que os poucos convidados – 4, na verdade – ouvissem a minha ordem. Um deles me perguntou: – não era para comer? Ao que respondi: – é claro que sim! Vamos iniciar o serviço em breve.

            E nem isso foi o suficiente para encerrar de vez aquela situação que entendi constrangedora. Constrangedora não para mim, nem tanto para os demais convidados, mas muito mais para os protagonistas da cena.

                   Indiferentes ao meu recado, incapazes de observar que todos os presentes estavam respeitosamente ouvindo os pronunciamentos dos anfitriões, cegos ao fato de que não havia garçons circulando durante este momento (como deve ser quando há pronunciamentos), o grupinho seguiu atacando o recém recomposto buffet.

         O que quero dizer com isso é que, independente da sua vontade, existe uma ordem natural no andamento dos eventos e é fundamental respeitá-la. Mas, antes de mais nada, existem questões de educação e respeito, principalmente em ambientes compartilhados socialmente. Educação na sua forma de agir, de falar, de se conduzir, de se portar. E respeito com os outros convidados, com quem está a sua volta. Respeito com o seu anfitrião.

                 Na dúvida, pare e observe: as outras pessoas estão comendo? estão bebendo? estão conversando?

            Um beijo. E obrigada pela leitura!10

Estefânia Adams, Relações Públicas.

Logo

Mensagem Anterior Próximo Post

Você Pode Gostar Também

Sem Comentários

Deixe uma resposta