nutricao_funcional
Saúde

O QUE É NUTRIÇÃO FUNCIONAL?

Para entendermos o que é a chamada Nutrição Funcional e em que ela se diferencia da Nutrição tradicional, temos de lembrar um pouco dos ensinamentos das aulas de Biologia sobre o funcionamento das células.

Aprendemos que somos formados por trilhões de células que formam os tecidos que, por sua vez, formam os órgãos, que, finalmente, compõem os aparelhos e sistemas do organismo humano. Cada célula do nosso corpo é uma unidade viva que depende, para o seu funcionamento pleno, de determinados nutrientes, em doses que variam de pessoa para pessoa, dependendo de suas características genéticas.

Em vez de se limitar à prescrição de dietas de alimentos tidos como saudáveis (porque o que é saudável para uma pessoa pode causar doença em outra), a Nutrição Funcional rastreia os sintomas, sinais e características de cada paciente e os relaciona a situações de carência ou excesso de determinados nutrientes.

Dietas generalizadas e contagem de calorias não fazem mais sentido.

A Nutrição Funcional baseia-se em conceitos como o “equilíbrio nutricional e a biodisponibilidade dos alimentos”, ou seja, alimentos e nutrientes que precisam de outros para agir no organismo de maneira positiva ou que, ao contrário, são anulados quando outros estão presentes.

paciente 1

Paciente de 51 anos em atendimento para reeducação alimentar e emagrecimento, após câncer de tireóide. Em três meses de tratamento, o resultado foi a redução de 12 kg ao todo. Desses, 11 kg perdidos foram de gordura total. Ela também ganhou 3 kg de massa muscular e teve uma redução significativa de medidas.

paciente 2

Paciente de 27 anos em atendimento para reeducação alimentar, ganho de massa magra e emagrecimento, diagnosticada com diabetes tipo 1 desde os 5 anos de idade. Em cinco meses de tratamento, perdeu de 8 kg ao todo. 8,5 kg foram reduzidos de gordura total, e 2 kg de gordura visceral. Também ganhou 4 kg de massa magra.

paciente 3

Paciente de 23 anos em atendimento para reeducação alimentar e emagrecimento. Em cinco meses teve um resultado de redução de 12 kg ao todo, sendo 10 kg de gordura total. Ganhou 3,0 kg de massa magra e perdeu 2 kg de gordura visceral.

Mudanças no cardápio de uma pessoa, a partir do levantamento detalhado de suas características, podem melhorar a sua disposição, tratar problemas como enxaqueca e evitar a ocorrência de doenças crônicas como a obesidade e o diabetes.

É consenso de que saúde e boa alimentação caminham juntas.  Antes de definir o cardápio, vale consultar um nutricionista para que as escolhas e porções sejam bem feitas e balanceadas para as necessidades reais de cada indivíduo.

Mariana da Costa Vieira – Nutricionista CRN2 9642

Mestra e Doutoranda em Nanociências

Mensagem Anterior Próximo Post

Você Pode Gostar Também

Sem Comentários

Deixe uma resposta