Browsing Tag

do rs para o mundo

Viagens

Viagens em família.

Mês de outubro chegou e com ele, além da Primavera, a belíssima estação das flores, o Dia da Criança, comemorado no mundo todo. Historicamente, cada país deveria escolher a sua data. No Brasil, o Decreto nº 4.887/24 instituiu o dia 12 de outubro como data oficial para as comemorações. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), no entanto, o Dia da Criança é o dia 20 de novembro, data em que foi oficializada a Declaração dos Direitos da Criança.

Atualmente, a data, assim como várias outras, tornou-se um tanto comercial, especialmente depois que uma conhecida empresa de brinquedos lançou, em 1955, uma campanha de marketing para alavancar as vendas. Como os resultados foram bons, a campanha foi sendo relançada anualmente, até os dias atuais (se bem que hoje em dia o bombardeio de propaganda é tanto, que não precisa mais de data…).

E se, ao invés de presente, a gente vivesse uma experiência com nossos filhos? Essa é a proposta do post de hoje: refletir e sugerir uma viagem, um passeio próximo com nossos filhos, algo imaterial que deixe neles boas recordações, afinal de contas, é isso que se leva da vida.

Então, pedi auxílio aos universitários sobre passeios legais para se fazer em família. Consultei a Valentina, minha filha de 11 anos, e ela lançou as seguintes respostas:

0901 - Disneyland

1) Top of mind: Disney Paris. Para ela foi a melhor experiência que vivemos juntos, “menos a montanha russa do Nemo, mãe”, disse-me ela. “Avisa às pessoas que é roubada”… Contei tudo sobre nossa experiência na Disney Paris aqui.

4658

2) Faunía: é um parque enorme do tipo zoológico, que fica em Madri. É muito legal e vimos muitos animais diferentes. Passamos um dia muito divertido.

0263 - Museu do Louvre

3) Museu do Louvre, em Paris: “ver a Monalisa foi inesquecível”. “E também as múmias.”

267

4) Corcovado, no Rio de Janeiro.

052 - Praia da Ponta Negra - Natal

5) Praia da Ponta Negra, em Natal.

Essas são as cinco sugestões dela. E é impressionante como ela curte viajar conosco. Ela aproveita bastante e depois conta com detalhes tudo o que aprendeu. Viajamos com ela desde que ela era pequenina e ainda temos muitos planos para viajarmos juntos.

Candelária

Candelária

IMG_2195

 

DSC04521Mas existem opções do nosso lado que não são tão caras. Perto de Santa Maria, por exemplo, tem o Museu de Ufologia, em Itaara, que vale a visita. Tem o Museu Municipal de Candelária, com seus dinossauros fossilizados. O parque de Mata, da madeira que virou pedra. A cascata em Nova Esperança do Sul e as Missões um pouco mais longe. Gosta de natureza? Que tal visitar o Salto do Yucumã? Ou os Cânions na região de Aparados da Serra? Está meio apertado de grana? Um piquenique numa praça ou parque já faz a diferença.

Qualquer experiência dessas vale muito mais do que um brinquedo, por vezes, caro, que logo vai ser deixado de lado. E não importa a idade do filho. Vai ser uma curtição passar o Dia da Criança junto com os pais, em pleno divertimento.

Existe um grupo muito legal no Facebook que reúne famílias viajantes e que troca dicas muito legais: é o Viagens em Família. Ali tem dicas desde como se viajar com bebês até com adolescentes.

Menos presentes materiais e mais carinho e amor, por favor.

andrea barros particular2


 

Viagens

Recoleta: o meu bairro preferido em Buenos Aires

Sou fã de Buenos Aires, ou simplesmente BUE, como costumo chamá-la. Já estive em terras portenhas por seis vezes e ainda pretendo voltar outras tantas. Mas você deve estar se perguntando o porquê de eu querer voltar lá outras vezes, não está? São muitos os motivos.

Acho a capital dos hermanos linda; a gastronomia, impecável; o vinho, perfeito e o sotaque é o meu preferido. Sim, isso é uma declaração de amor pela Argentina e seu povo. Não sou do tipo que instiga rivalidades, muito pelo contrário: somos muito parecidos em diversos aspectos. Ah, e antes de qualquer coisa: sim, sempre fui bem tratada e bem recebida pelos portenhos e pelos argentinos em geral. Tenho grandes amigos por lá e adoro viajar pelo país vizinho, que sempre me surpreende.

Buenos Aires já foi mais tranquila, mais segura, mais barata, mais limpa. Hoje está muito parecida com qualquer cidade grande brasileira, mas não perde seu encanto. Há que se ter atenção com a segurança, chamar sempre radio-táxi (embora o uber seja hoje uma excelente opção), cuidar com notas falsas de pesos, como em qualquer capital do mundo. Fora isso, não vejo maiores problemas.

post13-02

0659 0698 0629


Meu lugar preferido por lá é a Recoleta, com seus cafés, restaurantes, parque, museus e shopping. É lá que a Evita está enterrada, sendo a visita ao seu túmulo quase uma obrigação. Aliás, para quem gosta de arte, o Cemitério da Recoleta é perfeito. Veja mais aqui.

0115

Feira de San Telmo

Aos finais de semana, ocorre uma feira muito legal na Plaza de La Recoleta. Artesanato, música, teatro e muito mais se misturam em um mesmo lugar. Vale a pena passear por ali. Você pode programar a visita à Recoleta no sábado e no domingo visitar a Feira de San Telmo, a mais famosa da cidade.

Sugiro, ainda, uma visita ao Museo Nacional de Bellas Artes, que fica ali bem pertinho e tem entrada franca. Mas vá com calma. São muitas as obras a serem apreciadas.

Um pouco mais adiante, já em Palermo, fica o MALBA, Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires. É lá que está o quadro “Abaporu”, da Tarsila do Amaral, junto com outras obras igualmente importantes de outros pintores brasileiros.

0739

Hard Rock Café

0792

Hard Rock Café

Voltando à Recoleta, você pode variar o cardápio e ir almoçar no americaníssimo Hard Rock Café e depois caminhar admirando as vitrines do Buenos Aires Design, o shopping de decoração da cidade, ou, ainda, caminhar olhando as vitrines das lojas mais adoradas do mundo, que ficam nas proximidades.

Casa da Barbie – Buenos Aires

Casa da Barbie – Buenos Aires

Casa da Barbie – Buenos Aires

Casa da Barbie – Buenos Aires

 

Casa da Barbie – Buenos Aires

Casa da Barbie – Buenos Aires

Museu de Ciências de Buenos Aires

Museu de Ciências de Buenos Aires

E para quem pensa que Buenos Aires é passeio para adultos, está completamente enganado. Fiz um roteiro com minha filha por lá visitando apenas lugares de interesse para ela, como a Casa da Barbie, que ficava em Palermo, do lado da Recoleta, pois parece que fechou, e o Museu de Ciências de Buenos Aires, que fica no meu bairro predileto. Mas existem outras muitas opções para a criançada.

Buenos Aires é perfeita para viajar sozinha, para viagem romântica, com amigos ou família. Sei que não falei de todos os lugares de BUE, mas preciso deixar para outro post, não é mesmo? E na minha próxima ida, o roteiro, que já está pensado, será totalmente inédito. Só irei repetir o helado de dulce de leche granizado do Freddo…

 

andrea barros particular2

 

 

 


 

Viagens

Onde comer fondue em Gramado

Época de férias de inverno pede uma viagem à serra, especialmente a Gramado e Canela. Na hora de comer fondue, sempre fica a dúvida: Aonde ir, já que são inúmeras as opções? Fiz uma pequena lista deles, todos em Gramado.

Doze Gastronomia

Este restaurante fica exatamente em frente ao Hotel Serra Azul e, no meu entender, um bom custo-benefício. Na sequência de fondue, o primeiro é o de queijo. Aqui, além da batatinha e do pão, vem brócolis.

Depois, o fondue de carne na pedra, com diversos molhos. A vantagem deste método é que o cozimento da carne é mais saudável, pois não vai gordura. A outra forma (frito) você mergulha o pedaço de carne no óleo quente. Já viu, né? Além das milhares de calorias a mais, suas roupas e seus cabelos ficam naquele estado…

Mas não gaste toda a sua fome por aqui… Por último, e para mim o melhor, vem o de chocolate, com frutas da estação. Basta escolher a fruta e mergulhar na panela de chocolate quente… Depois, peça uma colher e se deleite no chocolate que ficou na panela. É para terminar em grande estilo.

As carnes, frutas, molhos, etc. podem ser repostos sem custo extra. Basta pedir a reposição.

 

IMG_4439 IMG_4444

Sabor de Famille

No centro de Gramado, na rua lateral da Igreja, está o Sabor de Famille, um restaurante aconchegante, que serve um fondue muito gostoso. Seu diferencial está na goiabada picada, servida junto ao fondue de queijo e no suspiro (merenguinho) trazido com as frutas, no fondue de chocolate.

O restaurante serve pratos a la carte, tem música ao vivo, uma boa carta de vinhos e cervejas artesanais. Além disso, oferece serviço de transporte para a rede hoteleira, bastando ligar e agendar. O atendimento também é muito bom. O preço é honesto.

Seu horário de funcionamento é das 11h30min às 15h e das 18h30min até as 23h30min.

 

DSC01508 DSC01507

Colosseo

Em um ambiente requintado, degusta-se um excelente fondue, além de pratos a la carte. A carta de vinhos tem títulos renomados. O atendimento é de primeira. E o que é melhor: eles têm serviço de leva e traz, inclusive para Canela. Isso significa que você pode curtir a sua noite sem se preocupar com a volta para o hotel.

 

colosseo logo

colosseo colosseo foundue

 

 


Belle Du Valais

Se você é do tipo que pensa que inverno é igual à sequência de fondue, você precisa conhecer o Restaurante Suíço Belle du Valais, o melhor restaurante suíço do Brasil. Lá você vai encontrar ambiente requintado, um excelente serviço, uma carta de vinhos de primeira qualidade, sem contar, é claro, com as delícias do cardápio. Especialmente a já comentada Sequência de Fondue. Sugiro que seja feita reserva antecipada.

Funciona a partir das 18h.

belle du vallaisbelle du vallais2


 

É claro que existem muitas outras opções por lá e eu teria que ir mais mil vezes a Gramado para poder provar todas. Essas que trouxe são as que eu conheço e recomendo. A ordem do post é do menor para o maior preço. São espaços diferentes, com detalhes diferentes em cada serviço.

 

Ficou com fome? Corre para Gramado!

 

andrea barros particular2

 

 

 

 

 

Viagens

Viña San Esteban – Chile

A gente adora um bom vinho e o Chile, ao lado da Serra Gaúcha e da Argentina, é um paraíso, não é mesmo? Quem vai a Santiago pela primeira vez, geralmente visita a Concha y Toro e a famosa adega Casillero Del Diablo, que é muito legal. Com sorte, degusta o Don Melchor, o melhor vinho que é produzido lá, ao lado de outros bons rótulos. Contei um pouco aqui.

Só para variar, queríamos algo diferente, porque já tínhamos visitado a Concha y Toro e a Cousiño Macul na primeira vez em que lá estivemos. E acabamos descobrindo, na subida da Cordilheira dos Andes, rumo a Mendoza/AR, a Viña San Esteban, em que você se torna enólogo por um dia e ainda leva consigo uma garrafa com o seu próprio vinho. Não, você não entendeu errado: você faz o seu vinho.

Na subida, com sorte, você avista o Pico mais alto da América do Sul, o Aconcágua. E ainda passa ao lado de diversas plantações de frutíferas. Ah, nem preciso dizer que a estrada é linda, né?

Aconcágua

Aconcágua

 

San Esteban é um pequeno vilarejo incrustado nas montanhas da Cordilheira dos Andes, no Vale do Aconcágua, um dos diversos vales produtores de vinhos do Chile. O lugar é maravilhoso!

270

A visita começa exatamente pela adega. Atravessamos o galpão, onde repousa milhares de litros de vinho, saímos na porta dos fundos e visitamos a área industrial: desde o local do recebimento das uvas, fermentação nos toneis de aço inox, o envasamento e etiquetagem das garrafas.

272

Depois desta etapa, voltamos à adega e a guia explica a diferença entre as três principais cepas que são produzidas pela empresa: cabernet sauvignon, carménère e syrah. Degusta-se uma a uma, separadamente, buscando identificar, segundo as orientações recebidas, suas características. Depois, passamos a elaborar a nossa própria fórmula, conforme é ensinado.

277

Depois, mãos à obra: duas chances para criarmos o nosso próprio assemblage. Primeiro, a gente faz uma taça de cada, conforme as fórmulas montadas. Depois, escolhemos uma delas e fazemos uma garrafa inteira. Com a ajuda da nossa anfitriã, escrevemos o rótulo, colocamos a rolha e o lacre. E tcharam: saímos de lá com um vinho só nosso, com a nossa assinatura! Não é o máximo???!!!

297

Acha que a visita terminou? Nã-nã-ni-nã-não! Depois de ser enólogo por um dia, de comer nozes e passas deliciosas, produzidas pela própria empresa, passamos à degustação, propriamente dita (mesmo que já estejamos muito mais pra lá do que pra cá). Com o vinho top (Laguna Del Inca in Situ) da empresa, é servida uma empanada de carne deliciosa e enorme, para aplacar um pouco a fome e o que já bebemos.

No final, ainda compramos azeite de abacate, também produzido na vinícola. E dos nossos signature wines trouxemos garrafas extras. Uma garrafa está no preço. Se quiseres fazer outras extras, pagas em separado.

Gastamos em torno de R$ 250,00 ao todo (visita, 3 garrafas extras do nosso assemblage e um azeite de abacate), mas o preço do tour que nos levou até lá não está computado nesse valor. Trouxemos conosco uma experiência que não tem preço! Ah, este tour tem que ser reservado com antecedência mínima de 24h.

Graças ao Juan Vergara (info@itours.cl ou gatovergara@gmail.com) vivenciamos esta experiência diferente, que vamos levar para o resto de nossas vidas. Se fores ao Chile, reserva um dia para visitar esta vinícola, pois vale muito a pena!

Salud!

Ah, antes de terminar, convido vocês a curtirem a nossa página lá no facebook. Toda a semana tem post novo no blogue e você fica não perde nenhuma novidade! Do RS para o Mundo.

 

andrea barros particular2

Viagens

Pequeno roteiro para Portugal

Quando se pensa em viajar para a Europa, raramente Portugal é a primeira opção. França, Alemanha, Itália e Espanha, seguidos de outros países, ao que me parece, figuram no topo dos desejos dos viajantes, inclusive no meu. Conhecer Paris era, para mim, realizar um sonho de infância ou de adolescência, sei lá, porque fazia muitos anos que eu afirmava que a minha primeira ida para a Europa seria para lá. E assim foi.

No entanto, uns amigos estavam vivendo uma temporada em Lisboa por conta do mestrado e nós resolvemos aproveitar a oportunidade e ir até lá visitá-los, já que o nosso voo era via Lisboa. E Portugal foi uma grata surpresa!

Foram três dias muito intensos, mas que nos deixou com gostinho de quero mais (tanto que voltei em outubro do ano passado…). O roteiro foi montado por nossa amiga, que se esmerou demais. Meu único pedido foi ir a Fátima.

Então, assim dividimos os nossos dias:

Dia 1:

Chegamos a Lisboa, vindos de Paris, no início da tarde e visitamos de pronto a Torre de Belém, o Padrão dos Descobrimentos (de onde partiam as caravelas rumo às terras distantes) e o Mosteiro dos Jerónimos, tudo ali, na margem do Tejo (“Pelo Tejo se vai ao longe…” está escrito no chão). Ah, comemos os famosos e originais Pasteis de Belém, que são deliciosos e não, não existe outro igual em qualquer outro lugar, que não na Pastelaria de Belém! Quem já comeu, sabe do que estou falando, quem ainda não teve essa oportunidade, pensa em algo bom, não! Algo muito bom!

post14

Dia 2:

No dia seguinte, pegamos a estrada rumo ao Santuário de Fátima, que havia recebido a visita do Papa Bento XVI fazia poucos dias. Independente de religião, o lugar merece a visita, porque a energia que tem lá é inexplicável!

Na sequência, visitamos o Mosteiro de Batalha, de Alcobaça e a encantadora Óbidos, que contei aqui. Foi a minha primeira cidade murada, que me encantou. Ah, aqui se toma a Ginjinha D’Óbidos, um licor delicioso.

Depois retornamos para Lisboa. Não, ainda não escrevi nada a respeito dos demais locais que visitei! Quem sabe um dia!

Óbidos - Portugal

Óbidos – Portugal

post14-01

Dia 03:

No dia seguinte, saímos para outro lado. Estivemos em Estoril, Cascais, Sintra (com seu lindo Palácio da Pena e Castelo dos Mouros) e Queluz. O Palácio Nacional de Queluz abrigava a Família Real Portuguesa antes de virem para o Brasil. No livro 1808, de Laurentino Gomes, ele é citado. Após visitarmos esse lindo palácio, voltamos para Lisboa.

post14-02

Dia 04:

Era nosso último dia em Lisboa. À noite tínhamos que voar de volta ao Brasil. Ao longo do dia, visitamos um pouco mais da linda capital portuguesa. Alfama (com o Eléctrico 28), Castelo de São Jorge, Rua Augusta, Chiado e arredores.

Mesmo com tão pouco tempo, conseguimos ter uma pequena noção das surpresas que Portugal nos guarda. História que se mistura com a nossa, arquitetura que se mistura com a dos mouros, lugares de inimaginável beleza e, claro, o melhor bacalhau, bons vinhos e pastel de Belém. Não tem como não se apaixonar por lá!

E hoje em dia é possível se fazer em Lisboa o que se chama de stopover: você compra a passagem pela empresa aérea portuguesa para o seu destino final na Europa, mas desembarca em Lisboa, por dois ou três dias, cumpre o roteiro que sugiro neste post, e depois segue viagem para o seu destino final, sem que sua passagem custe mais por isso (o aeroporto de Lisboa é muito bem localizado e bem servido de transporte público, facilitando este deslocamento. Aliás, a chegada em Lisboa é de tirar o fôlego!). É possível fazer essa simulação no sítio da empresa, embora seja um pouco complexo. Fiz isso ano passado com outra empresa para conhecer Amsterdam. E valeu muito!

 

andrea barros particular2

Viagens

Pablo Neruda

Adoro poesia. Adoro Pablo Neruda. Adoro ler para me preparar para as viagens, como já comentei anteriormente.

Quando fui ao Chile a primeira vez, decidi que não sairia de lá sem conhecer as três casas de Pablo Neruda: a La Chascona, que fica em Santiago (e eu descobri que até hoje não escrevi sobre essa casa no blog!), a La Sebastiana, em Valparaíso e, por fim, a mais esperada por mim, Isla Negra, na beira do Pacífico.

La Chascona

A casa de Santiago, que fica no bairro Providéncia, começou a ser construída por Neruda em 1953 para que nela morasse Matilde Urrutia, seu amor secreto. Em homenagem a ela, batizou por ‘La Chascona’, como ela a chamava, em razão de sua abundante cabeleira.

Após o golpe militar de 1973, que derrubou o então Presidente Salvador Allende, Neruda faleceu. A casa, então, sofreu diversos vandalismos, inclusive a obstrução de um curso de água natural, que fez com que toda ela fosse inundada. Mesmo assim, Neruda foi ali velado junto a poucos amigos. Matilde reconstruiu a casa e ali viveu até 1985.

Divulgação do saite http://www.fundacionneruda.org/es/galeria-chascona

Divulgação do saite http://www.fundacionneruda.org/es/galeria-chascona

Divulgação do saite http://www.fundacionneruda.org/es/galeria-chascona

Divulgação do saite http://www.fundacionneruda.org/es/galeria-chascona

 

La Sebastiana

A casa de veraneio de Neruda e Matilde fica em Valparaíso, no alto do Cerro Florida, de onde se avista o Oceano Pacífico. Neruda amava Valparaíso e pediu a um amigo, em 1959, que ele encontrasse uma casa para ele. Mas não podia ser uma casa qualquer. Debía estar en un cerro, pero cerca del plan, con vista al mar y a la ciudad, lejos de todo, pero cerca de la movibilización, con vecino silenciosos, solitaria pero no en exceso, alada pero firme, original pero no incómoda, y sobre todo, económica.

A casa foi inaugurada em 18 de setembro de 1961, com uma festa memorável. La Sebastiana foi saqueada após o golpe militar de 1973, tendo sido restaurada em 1991. A visita ao museu é autoguiada e é proibido fotografar seu interior.

post13-03

La Sebastiana – Valparaíso

 

Isla Negra

Para mim, a mais linda de todas, a mais completa, a mais nerudiana, a mais… Faltam-me adjetivos para ela! Já estive duas vezes lá e irei de novo, certamente.

Neruda e La Chascona encontram-se enterrados ali, ao lado do mar. Neruda, além de político e escritor, era conhecido como um coisista, pois adorava colecionar tudo o que via pela frente e parte dessas coleções podem ser vistas em Isla Negra. A vida deles está lá, a energia desse lugar é incrível, tudo é maravilhoso!

 

post13-04

Isla Negra – Chile

 

Quando estive pela primeira vez
defronte do oceano me enchi de assombro.
Ali entre dois grandes montes
 (o Huique e o Maule) se desatava 
a fúria do grande mar.
Não eram somente as imensas ondas 
nevadas que se levantavam 
a muitos metros sobre nossas cabeças, 
mas um estrondo de coração colossal, 
a palpitação do universo.

(NERUDA, Pablo, em Confieso que he vivido).

Para melhor se entender o mundo de Neruda e Matilde, indispensável a leitura de ‘Minha vida com Pablo Neruda”, escrito pela própria Matilde Urrutia. Igualmente indispensável a leitura das poesias de Neruda. O filme “O Carteiro e o Poeta” retratam a vida deles no exílio, na Itália. Também recomendo.

Todas as casas são museus administrados pela Fundação Neruda. No valor do ingresso está incluído um audioguia (tem em português), que facilita em muito a visita. Na primeira vez que fui, eram guias quem explicava. Mais informações sobre preços, horários de visitação, você encontra aqui.

andrea barros particular2